Ouça:

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Amy Winehouse e a barreira dos 27

A primeira reação à notícia de que Amy Winehouse foi encontrada morta em Londres foi de surpresa. Afinal, ela não estava internada nem nada. Mas 10 segundos depois, você já se dá conta de que, no duro, todo mundo achava que isso ia acontecer em algum momento. Quando Amy veio ao Brasil, boa parte dos que foram vê-la ao vivo o fizeram com aquela sensação de "tenho que aproveitar enquanto ela está viva".

Não dá pra saber o que teria sido Amy Winehouse sem as drogas. Será que eu estaria aqui escrevendo sobre ela se não tivesse usado tudo o que usou? A mesma indagação vale para toda essa galera que teve este mesmo tipo de relação com substâncias múltiplas, deixou sua marca no mundo e morreu aos 27. Não dá pra saber o que teria acontecido com eles e seus talentos se tivessem levado uma vida mais limpinha; este tipo de combustível não muda muito a produção de quem já não leva jeito mesmo. Afinal, tem um monte de doidão que morre anônimo e deve ter um ou outro mais comportado que também entrou pra história. Enfim: a droga deve ter tido um papel decisivo para a arte de Amy Winehouse. Mas, pra vida dela, tenho certeza de que foi uma merda.

 Amy Winehouse, branca com voz de negona, grande cantora que também compunha muito bem, serviu como um catalisador para que muita gente resgatasse a influência de um soul mais antigo, que acabou chegando com jeito retrô ao mainstream. Uma bela influência. E ela, que costumava cantar Monkey man nos shows e gravou um EPzinho modesto de covers de ska, chegou a registrar demos para um disco novo que acabaram sendo recusadas pela gravadora por serem jamaicanas demais - lembrança de meu amigo Léo Mahfuz. Gostaria de ver o que ela mesma escreveu e cantou nesta linha. Tomara que isso apareça agora.



Um comentário:

Francine Albernaz disse...

Como disse o Barcinski, se vc não morrer aos 27 ou aos 33, viverá para sempre. Eu ainda tô perigando... http://andrebarcinski.folha.blog.uol.com.br/arch2011-07-17_2011-07-23.html#2011_07-23_20_13_13-147808734-0