Ouça:

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Unidade Imaginária



Aqui a gente escreve de tudo, né? Já postamos sobre um CD do Silvio Santos aqui, sobre filmes e quadrinhos, até sobre música que a gente não gosta tanto assim. Bem, agora não é o último caso: Eu recentemente ganhei uma promoção (ganhei mesmo, sorteio honesto e tal, nunca ganho nada, nem bingo de excursão) bem bacana, um CD e um adesivo da banda de um camarada meu de colégio, o Unidade Imaginária.

O Unidade Imaginária é uma banda que eu acompanhei a evolução razoavelmente de perto (apesar de nunca ter ido a um show, vacilo), soube quando tavam fazendo shows ainda na Melt, por onde muita banda da zona sul do Rio começa a tocar hoje em dia, soube quando tavam gravando com o nome de um Liminha envolvido, agora já tô sabendo da banda aparecendo bem mais por aí, concorrendo a prêmio na MTV e o escambau.

Agora, pra realmente chamar a minha atenção, é porque tem coisas que eu me identifico no UIM e que vejo raramente nas bandas do Rio:

- Eles têm uma formação com vocal feminino bem forte ( da Mariana Volker que também toca piano e guitarra), gosto bastante da voz dela;

- Têm uma preocupação com apelo visual interessante, conseguiram transformar isso em uma marca da banda mesmo;

- São uma banda do Rio de Janeiro que é bem “antenada” com o seu público, aproveitam bem a internet para se divulgarem e entrarem em contato com eles (fazem promoções por twitcam, por exemplo), o blog deles também tem coisas interessantes;

- Fazem muita coisa “além-música” por conta própria – pelo CD dá pra ver aqui inclusive, a parte gráfica é feita pela vocalista, a produção do CD é da baixista (Valentina Zanini, curto também a linha dela, manda bem em “Alquimia”). Faz parte daquela ralação quase que obrigatória pra quem quer ter banda séria hoje em dia... Lembra um pouco a gente nesse aspecto até : P

Enfim, eu fico feliz de ver banda de amigo crescendo assim (não falei do Léo Vilhena ainda, aguardem o próximo parágrafo), fazendo um trabalho que mesmo sendo muito pop, tem um som diferenciado. E também por ser do Rio, não por bairrismo, mas por ver pouca coisa interessante mesmo surgindo por aqui e chegando mais longe. Respeitável.

Ah, bom, o Léo Vilhena... a gente estudou junto no Pedro II do Humaitá. O colégio rendeu muita gente que mexe com música hoje em dia (principalmente baixistas, vai entender).

O Léo é um que já naquela época tocava muito. Foi com ele que tive minha primeira banda como baixista (acho que foi a primeira banda dele aliás). Eu não sabia tocar baixo, não tinha um baixo, tava começando no violão do Antonio Adolfo até. Fizemos um show só, no próprio colégio. Lembro que tinha duas do Scorpions no repertório! Opel o nome da banda.

Poxa vida, a banda não foi pra frente. Ele até tentou me passar uma listinha de músicas no Iron Maiden e outras coisas pra aumentar o repertório mas o Opel não viveu pra proporcionar essa loucura. Claro que serviu pra eu me interessar mais no instrumento que toco hoje e era divertidão tocar com ele. Ver ele hoje dando entrevista na MTV com rosto pintado, falando do trabalho novo da Sandy e divulgando o belo clipe deles que concorre ao prêmio de Aposta desse ano é algo interessante! Ainda mais pra quem se gabava de fazer "joselitagem" por aí. Fico Feliz por ele.

Ó o clipe deles - "Madalena":



E o site - http://www.unidadeimaginaria.com.br/

Tomara que ganhem. O CD com 5 músicas é bom e muito bem gravado. Vou tentar pegar um show deles ainda...to devendo.

Nenhum comentário: