Ouça:

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

É carnaval, é a doce ilusão...


Volto a escrever depois de um tempo - andei viajando, de repente conto um pouco do lugar por aqui mais tarde. Mas, pra marcar o retorno às atividades blogueiro-robálicas, puxo um assunto relativo ao carnaval que se aproxima.

Li outro dia no Globo a notícia de que o Cordão da Bola Preta lançou este ano, em parceria com uma confecção aqui do Rio, sua camiseta oficial, com a estampa da imagem que ilustra este texto - e que as vendas estavam sendo um sucesso. Revisaram a projeção de vendas para 8 mil unidades, o que ajudaria e muito o tradicional bloco, que vive sempre às voltas com dívidas e ameaçado de despejo de sua sede.

Achei a notícia interessante, mas meio surpreendente também. Como assim - até hoje eles não tinham tido a idéia de vender camisas pra arrecadar dinheiro e ajudar a se manter? Não é possível.

Mas eis que ontem, indo ao Centro, descobri a pegadinha. Estive, por outro motivo, na loja da confecção que está fazendo as camisetas, na Senhor dos Passos. E descobri que ela, na verdade, dá direito a entrar numa "área exclusiva durante o desfile, pertinho do carro de som". Ou seja - a camiseta é um abadá! 

Há um ou dois anos, um bloco da zona sul, de perfil mais playboyesco, já havia se arriscado a colocar corda em seu desfile e vender abadá, à moda baiana - e isso deu uma certa polêmica, com muita gente reclamando da descaracterização do espírito democrático do carnaval de rua no Rio. Pois eis que agora quem se rende à prática mercantilista é uma das mais tradicionais instituições momescas da cidade.

Lamentável.

2 comentários:

thiroux disse...

Farei minha parte não comprando a camisa e nem indo ao bloco.

Marcos Monnerat disse...

Já tá vendendo camisetas piratas do Bola Preta aqui no camelódromo! Acho que nesse caso, comprar produtos não-oficiais seria aceitável como forma de protesto contra essa palhaçada, não acham?! :P